Círculo vicioso (artigo de José Antunes de Sousa, 108)

Espaço Universidade 05-10-2021 19:02
Por José Antunes de Sousa

Confesso que me sinto “vox clamantis in deserto”: ninguém me liga nenhuma! Há um ror de anos que prego em vão contra a abordagem imediatista e materialista do evento desportivo -  como tudo o demais na vida. Estamos teimosamente agarrados ao soberano e indiscutível nexo mecânico de causalidade - como se nada mais houvesse para lá do que podemos dominar com as nossas trémulas mãos, sem tomarmos a peito que há uma fímbria subtil de uma realidade que se furta invencivelmente à captura dos nossos sentidos.
 

Um eminente físico, colega de Albert Einstein, John Archibald Wheeler de seu nome, afirmou, sem rodeios, a meados do século passado, que somos os criadores da nossa própria realidade - assim, nem mais nem menos! E acrescentava que a realidade exterior é rigorosamente o reflexo da nossa realidade interior.
 

Aliás, já no princípio do século, Max Planck, o iniciador da Física Quântica, descobrira a existência do “Campo unificado”, afirmando: “devemos assumir que por trás desta Força há uma mente consciente e inteligente.” E concluía, sem hesitar:  “esta mente é a matriz de toda a matéria “. E os manuscritos, atribuídos a Isaías, e descobertos em 1943 no Mar Morto, antecipam esta confirmação científica: o Campo responde ao nosso desejo e à nossa intenção dando corpo à nossa realidade. A oração não deve, por isso, traduzir uma súplica lamentosa, que testemunha e acentua a condição de falta e de míngua, mas veiculando a convicção e o sentimento de que já existe no nosso marco experiencial justamente aquilo que se pede.
 

Importa referir que a resposta demiúrgica do campo não obedece aos cânones da lógica racional, mas ao sentimento com que se dá por realizado aquilo por que se anela.
 

Vem isto a propósito da insistência com que o treinador do Benfica incorre no erro do modo falacioso de orar/desejar - apesar de transportar o mesmo nome do Mestre que a todos ensinou o modo eficaz de pedir.
 

Ainda agora, depois da surpreendente derrota em pleno estádio da Luz frente ao Portimonense, vergado ao peso da má sorte, proclamava, rendido: “podíamos estar aqui toda a noite”! E isto sem, por vislumbre, lhe passar sequer pela cabeça que acabara de colher aquilo que tão zelosamente semeara.
 

Vejamos: que disse ele na projecção (!) do encontro? Que seria um jogo terrivelmente complicado, ainda por mais na ressaca de uma épica jornada europeia, que o adversário tinha a defesa menos batida e que era uma equipa muito organizada. Enfim, com a devoção de um noviço, previu toda a sorte de desgraças e que, numa demonstração de sábia visão de profeta, agora confirmava com comovente assertividade. A este jogo autopunitivo chamam os psicólogos:”profecia auto-realizada”.
 

E os benfiquistas mandam vir porque o homem, em sete temporadas no Benfica, perdeu quatro campeonatos - apesar de ter disposto de planteis dispendiosos.
 

Tenho pena, mas tenho que ser honesto: vai continuar a perder - porque usa o discurso motivacional às avessas e, convenhamos, já não tem idade para mudar.
 

Ser-lhe-ia muito proveitoso um atento olhar para a concepção endógena do vibrante discurso motivacional do selecionador nacional de futsal, Jorge Braz, que, talvez por ter nascido no Canadá, demonstra ambição planetária e entretém-se a contemplar as estrelas - e conseguiu formar

uma verdadeira constelação!
 

Meus amigos, deixem-me terminar de um modo provocatório:

Só ganha quem Já ganhou!

Só merece ser campeão quem como tal se sente!


José Antunes de Sousa
Doutor em Filosofia pela Universidade Católica Portuguesa

 

Ler Mais
Comentários (0)

Últimas Notícias

Mundos