NBA consegue reduzir queda nas receitas com regresso do público aos pavilhões

Desporto 07-07-2021 17:21

"Talvez tenhamos conseguido reduzir para cerca de um terço a queda nas receitas, ao invés de 40%”, detalhou Adam Silver sobre os 8,3 mil milhões de dólares (7 mil milhões de euros) que a liga encaixou na temporada 2019/20.

João Tereso Casimiro

Apesar de ser considerada a melhor liga de basquetebol do mundo, a NBA, tal como todas as ligas desportivas a nível mundial, sofreu com o impacto da Covid-19. Ainda assim, segundo o seu comissário, Adam Silver, a queda nas receitas, estimada para 40%, foi travada devido ao regresso do público aos pavilhões, avança o portal “Palco 23”.

“Fizemos um pouco melhor do que projetávamos inicialmente”, disse o comissário da NBA, Adam Silver, em declarações à imprensa antes do primeiro jogo da final da competição. “Ainda não temos os números exatos, mas talvez tenhamos conseguido reduzir para cerca de um terço a queda nas receitas, ao invés de 40%”, detalhou, sobre os 8,3 mil milhões de dólares (7 mil milhões de euros) que a liga encaixou na temporada 2019/20.

O impacto da pandemia é partilhado pelos donos de franquias (equipas) e jogadores, devido à forma como a liga divide a receita, mas Silver olha para o futuro com otimismo. “Se as coisas continuarem no caminho certo, podemos avançar para uma nova temporada, no próximo ano, que parecerá muito mais normal”, explicou, observando que “teremos evitado [a pandemia] muito bem”.

As receitas da NBA caíram 10%, para 8,3 bilhões (7 mil milhões de euros), na temporada 2019/20, devido à pandemia Covid-19, com uma queda de 800 milhões de dólares (678,3 milhões de euros) em bilheteira e 400 milhões de dólares (339,1 milhões de euros) devido à diminuição de patrocinadores e merchandising.

A queda nas receitas referentes à temporada 2019/20 foi menor que a previsão para a temporada 2020/21, que começou sem adeptos nas bancadas, na qual foi projetado um impacto de cerca de 4 mil milhões de dólares (3,3 mil milhões de euros), 40% do total da receita.

Por outro lado, o projeto de expansão, concebido como fonte para novas receitas, ficou em segundo plano. “Eu sei que foi relatado que quando as receitas estavam a cair, estávamos a levar a expansão mais a sério”, explicou Silver. Mas “principalmente porque a expansão é um processo de vários anos”. Em qualquer caso, “o consenso é que durante uma pandemia não é o momento certo para nos expandirmos, mas devemos continuar a considerar fazê-lo.”

No final de junho, a consultora IEG revelou que a liga norte-americana de basquetebol e as suas 30 equipas aumentaram a receita de patrocínios em 6% na temporada 2020/21, para 1,46 mil milhões de euros (1,2 mil milhões de euros), o que representa um novo recorde na história da competição.

Ler Mais