Roland Garros vai distribuir menos 10% em prémios na edição de 2021

Desporto 24-05-2021 11:33

O torneio organizado pela Federação Francesa de Ténis (FFT), que começa hoje e vai até o dia 13 de junho, foi preparado para receber os melhores tenistas do circuito mundial com diversas medidas para receber público nas bancadas – cinco mil pessoas.

João Tereso Casimiro

A edição de 2021 de Roland Garros, um dos mais conceituados torneios de ténis do mundo, vai distribuir um total de 34,3 milhões de euros, quase 10% menos que na edição anterior, quando o prémio monetário ascendeu a 38 milhões de euros, segundo o portal “Palco 23”.

O torneio organizado pela Federação Francesa de Ténis (FFT), que começa esta segunda-feira e prolonga-se até dia 13 de junho, foi preparado para receber os melhores tenistas do circuito mundial com diversas medidas para receber público nas bancadas – cinco mil pessoas.

A edição de 2020 foi adiada devido à pandemia de Covid-19, que obrigou os organizadores a modificar as datas do torneio, alterando a sua realização três meses depois, algo que nunca acontecera na história. Na altura, o vencedor do torneio, Rafael Nadal, levou 30% menos do que em 2019 por se sagrar campeão, até 1,6 milhões de euros. Este ano, o vencedor levará para casa 1,3 milhões de euros.

Ainda assim, a FFT decidiu manter os prémios para os jogadores eliminados na fase anterior e nas duas primeiras eliminatórias face à edição anterior – prémios de 60 mil euros por cada tenista. Uma vez que os tenistas avançam por rondas, onde normalmente são colocados os melhores jogadores do ranking ATP, o valor resultante da eliminação vai diminuindo.

Os tenistas que forem eliminados nos quartos-de-final deixarão de embolsar 28 mil euros, os semifinalistas vão receber 50 mil euros a menos e o finalista voltará para casa com 100 mil euros a menos que Novak Djokovic, finalista da última edição.

A redistribuição dos prémios visa apoiar os tenistas com posições mais baixas do ranking ATP, que são os que mais sofrem com os efeitos da pandemia. Nesse sentido, a Federação Internacional de Tênis (ITF) criou um fundo de 2,3 milhões de euros em junho de 2020 para amenizar o golpe da pandemia de Covid-19.

Durante as duas semanas de duração do evento, os 19 courts onde serão disputados os encontros do torneio sofrerão três variações em termos de presença do público. Devido às medidas de segurança sanitária anunciadas pelo governo francês em relação ao Covid-19, a primeira semana de competição não receberá adeptos.

Posteriormente, de 30 de maio a 8 de junho, quando for iniciada uma nova fase de desaceleração das medidas em França, um total de mil pessoas poderão assistir às partidas, com 35% da sua capacidade máxima.

A partir de 9 de junho, o Philippe-Chatrier, o court central de Roland Garros, que tem capacidade para 15.059 espectadores, poderá acomodar um total de cinco mil adeptos para assistir às meias-finais e à final, com 65% da sua capacidade máxima.

Ao contrário do torneio de Monte Carlo, os jogadores qualificados para Roland Garros têm de seguir um protocolo anticovid-19 estrito. Neste sentido, todos os tenistas ficarão alojados em dois hotéis propostos pela organização e só poderão aceder a zonas específicas das instalações de Roland Garros em dias de jogos e quando estiverem prontos para treinar, com o intuito de reduzir o fluxo de pessoas ao redor dos jogadores.

Ler Mais